Mas ele gritava ainda mais forte: “Filho de Davi, tem piedade de mim”

Por Magis Brasil - Jesuitas Brasil   |  

(Escrito por Pe. Leonel Gomes, SJ)

Inácio de Loyola até aos 26 anos sempre foi um homem entregue às vaidades do mundo. O poder, a fama e o desejo de glórias marcaram fortemente a vida deste homem. Contudo, esse grande combatente e defensor do poder acaba sendo derrotado em uma batalha em 1521, atingido por uma bala de canhão, mas incrivelmente esta derrota passa a ser sua grande vitória. Gravemente ferido e tendo perdido a batalha, essa bala de canhão, marcará para sempre a vida do combatente. Sua convalescência foi certamente um divisor de águas na vida deste jovem que nunca antes teria imaginado mudança que aconteceu em sua vida. Foi neste período de convalescência que este grande combatente experimenta verdadeiramente em sua vida uma possiblidade de trilhar um caminho de humanização e santificação. Este tempo de recuperação foi essencial para que este homem antes desejoso de fama e poder, pudesse à luz do Espírito, perceber-se e olhar-se a partir de um novo projeto de vida.  Esta interrupção, sem dúvidas, possibilitou a Inácio perceber detalhes de sua vida, moções interiores em seu coração até então não vivenciadas. Perceber-se, confrontar-se são elementos fundamentais na vida daquele que deseja crescer ou reorientar sua vida humano-espiritual.  Sendo assim, podemos dizer que toda experiência espiritual tem lugar no seio de uma experiência humana e, nessa experiência, os componentes culturais, familiares, sociais e psicológicos têm sempre um papel de fundamental importância que condiciona e determina, em parte, mas que possibilita essa mesma experiência espiritual.


Um vida espiritual madura

Assim, vemos que a identidade espiritual madura de Inácio não tem a ver somente com a realidade interior, mas sim que é precisamente a possibilidade de assumir a realidade exterior, em toda sua complexidade, situando-se frente a ela com uma resposta pessoal. Inácio nos ensina que na vida precisamos nos perguntar todos os dias: “Senhor, que queres que eu faça”? Colocar-se nas mãos de Deus torna-se, portanto, a marca fundamental na experiência de Inácio. A relação que podemos fazer com a vida de Inácio e nossas vidas, confunde-se na medida em que nos colocamos nas mãos Daquele que nos deu a vida e nos permitimos deixar-nos guiar, conduzir e converter. Somente quando nos damos conta que a vida não nos pertence é que então passamos por um processo verdadeiramente de conversão. Inácio de Loyola também foi despertado por outras narrativas que o moviam diferentemente dos desejos vãos de ganhar fama e poder. A leitura da Vida de Cristo e a Vida dos Santos foi marcantes e transformadoras no período de convalescência deste novo homem. Assim nos conta em um trecho de sua Autobiografia:


São Domingos fez isto; também eu tenho que fazê-lo. S. Francisco fez isto; também eu tenho que fazê-lo -. Estes pensamentos duravam muito tempo, e depois de se intrometerem outras coisas, apareciam os do mundo mencionados antes, e também neles se detinha muito tempo. E esta sucessão de pensamentos tão diversos durou bastante tempo, detendo-se sempre no pensamento que voltava, quer fosse das façanhas mundanas que desejava fazer, quer outras coisas de Deus que se ofereciam à fantasia, até que sentindo-se cansado deixava tudo isso e ocupava-se doutras coisas (LOYOLA 2005. p 31)

Nos conta Inácio, que ao se recordar com deleite de sua vida anterior, dava-se conta de que essa recordação o deixava sempre árido e descontente. Por outro lado, a proposta de uma nova vida provocada pelas narrativas da história de Cristo e vida dos Santos o consolava profundamente. Essa célebre experiência mística vivenciada por Inácio possibilitou abrir-lhe os olhos do entendimento para o mundo espiritual e da fé. Concluímos, que nossas experiências humanas também deveriam nos possibilitar aprofundar nossa vocação cristã e nos colocar em sintonia com nosso eu mais profundo, mas também com o outro que nos revela o rosto de Deus. Celebrando este ano inaciano, somos convidados mais uma vez a exemplo de Santo Inácio a buscar e encontrar a vontade de Deus sobre nossas vidas, perguntando-nos sempre: “Senhor, que querer que eu faça?”.


Que o exemplo de Santo Inácio nos anime a deixar-nos iluminar pelo Espírito na contemplação da vida de Jesus que nos revela o rosto do Pai.


Texto Bíblico  Lc 18, 35-43

Publicidade

Motasa Sicredi

NO AR.

17:00 ~ 19:00